Skip to main content

Conviver com grupos que possuem origens e características diferentes das nossas, amplia a forma como percebemos as situações do dia a dia. Enriquece as discussões, traz novas perspectivas e gera soluções satisfatórias para um maior número de pessoas. Facilita a inovação e estimula o aprendizado constante. 

Programas de Diversidade e Inclusão são cada vez mais comuns nas empresas de todos os tamanhos e segmentos. 

Mas porque a 42 está divulgando um artigo sobre Diversidade e Inclusão no seu site? E qual o impacto das estratégias das empresas para os jovens que estão ingressando no mercado de trabalho? 

A resposta é simples e te afeta diretamente. Colaboradores que demonstram curiosidade de aprender constantemente, facilidade para o trabalho em equipe, e habilidade de se relacionar com outras pessoas, possuem uma grande vantagem quando se candidatam a vagas ou até mesmo de serem promovidos. Por outro lado, se possuem dificuldade de interagir e dialogar com quem é ou pensa diferente, terão baixa probabilidade de alcançar sucesso no mundo empresarial. 

A promoção da diversidade está presente no relacionamento com todas as partes interessadas: colaboradores, clientes, fornecedores, parceiros de negócios, comunidade, entre outros. 

A seguir, exploraremos as características de alguns grupos sociais e dicas para se tornar uma pessoa mais inclusiva e empática, com comportamentos positivos no ambiente de trabalho:

Etarismo: Nunca considere que determinado profissional não será capaz de realizar um trabalho por causa da idade. A promoção de jovens ou a contratação de uma pessoa com mais idade deve ser vista como uma oportunidade de contemplar o trabalho com visões distintas de usabilidade de um produto, por exemplo. 

Formação: Não julgue a competência profissional de alguém apenas pelo título ou diploma, pois a competência profissional está relacionada a uma série de fatores, como conhecimentos, habilidades, experiência e, principalmente, atitudes. Procure observar o que cada pessoa faz de melhor e aprenda com elas (isso vale para conhecimentos técnicos e comportamentais). 

Naturalidade: Não inferiorize ou julgue as competências de alguém por conta do lugar onde nasceu ou morou. Não trate de forma pejorativa o sotaque ou os hábitos culturais de seus colegas. 

Religião: a fé e a espiritualidade de cada um devem ser respeitadas e todas as pessoas podem expressar as suas crenças livremente. 

Diversidade de gênero: É o conceito entendido como sendo a igualdade de condições sociais, corporativas e culturais entre homem e mulher, de forma que ambos recebam tratamento justo e tenham as mesmas oportunidades, rendimentos, responsabilidades, direitos e deveres. Machismo é um termo determinado pelo conjunto de práticas sexistas, que defende a superioridade do gênero masculino. Mas não só homens são machistas, algumas mulheres também. Para quebrar o ciclo de machismo, igualdade de oportunidades, inclusão e não discriminação são fundamentais. 

Raça e etnia: Somente 34% dos funcionários das maiores empresas são negros. Se continuar como está, a proporção racial equivalente no quadro de funcionários das grandes empresas só será realidade daqui a 150 anos. Empresas que incentivam a diversidade racial internamente têm profissionais 16% mais engajados do que as que não incentivam. 

Portanto, estejam abertos para conviver com pessoas com histórias e perspectivas diferentes das suas. Ajude a melhorar o ambiente de trabalho para colegas de diferentes grupos sociais. Quando você perceber um comportamento rude, desrespeitoso, ou até uma piada, converse com quem falou aquilo e explique que não é legal. Ajude a combater o preconceito, a discriminação, o racismo, homofobia, gordofobia e etc. 

O principal valor de uma empresa inclusiva é o respeito às diferenças, portanto todos nós devemos manter práticas de respeito ao talento e às habilidades de todos, já que vimos que o convívio com diferentes tipos de competências e perspectivas pode ser uma maneira valiosa de melhorar o desempenho das equipes.

Renata Nahon

Renata Nahon

Graduada em Psicologia pela PUC Rio, com Especialização em Gestão Estratégica em Recursos Humanos e MBA em Estratégia Empresarial e Inteligência Competitiva. Certificada em Cultura de Segurança Psicológica. Professora convidada da PUC Rio para o curso de Diversidade e Inclusão na prática das Organizações. Diretora voluntária da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH RJ). Conselheira da organização social Junior Achievement Rio de Janeiro.